GUJ Discussões   :   últimos tópicos   |   categorias   |   GUJ Respostas

Ciência da Computação ou Ciência de Dados?

faculdade
Tags: #<Tag:0x00007ff7902ea1a0>

#1

Estou cursando o 3º período de Ciência da Computação e na universidade de onde estudo abriu agora o curso de “Ciência de dados e inteligência artificial”. Fiquei tentado em mudar de curso, mas tenho medo do mercado de trabalho… Alguém poderia me dizer como anda o mercado de trabalho na área de Ciência de Dados? Vale a pena mudar de curso ou eu devo terminar Ciência da Computação para depois me especializar em Ciência de dados?


#2

aí vai depender do que vc quer: Big Data | Desenvolvimento | Suporte


#3

Se está indeciso vai pro meio termo, como sistemas de informacoes que é mais voltado pro grande mercado. Depois se especializa, se ainda for o caso.


#4

A melhor pessoa para responder a sua pergunta é você mesmo @Joao_Pedro4. Tudo está ligado ao que quer para sua carreira profissional. Sim, há muita área de atuação com foco em ciência de dados ou o famoso Big Data (e seus “braços”).

Com os sistemas armazenando cada vez mais informações, é uma carreira de impacto, sem dúvidas, assim como de desenvolvedor também é. Na minha opinião, deverias focar em concluir o que começou e com mérito. Você pode começar a direcionar a área que quer atuar a partir do teu TCC. Pode fazer um belíssimo trabalho de conclusão de curso focado na área de dados e assim que concluir, buscar pós na área.

Creio que o curso de Ciência da Computação vai te proporcionar uma visão holística e colocar você em contato com diversas teorias e áreas. Vai que ao fim do curso você tenha se interessado mais por outra área, não é?

Um abraço.


#5

Antes de tomar essa decisão seria interessante você refletir qual é a profissão que você quer seguir no futuro. Por ser novidade, o termo “cientista de dados” tem sido usado de maneira indiscriminada para designar qualquer um que tenha tido contato com big data, analytics, BI, etc.

Mas definindo melhor o termo, o cientista de dados é aquele profissional que sabe extrair insights a partir de dados. O papel do cientista de dados é criar modelos que expliquem ou possam predizer o comportamento de um determinado fenômeno e a partir desse modelo gerar tomadas de decisões. Por exemplo, em uma seguradora, um cientista de dados poderia, a partir de uma base de dados de sinistros traçar o perfil de quais clientes são potenciais candidatos a acionar o seguro em um período de um ano.

A desvantagem que eu vejo é fazer um curso muito específico é que ele pode te limitar, caso você mude de ideia depois. Se você quer trabalhar como cientista de dados, é perfeitamente possível cursar computação e se especializar depois, porém, seria interessante complementar a sua formação com disciplinas como estatística, processos estocásticos, etc.


#6

Não recomendo SI para quem partir para ciência de dados. Precisa de uma boa dose de matemática, e em SI matemática é muito enxugado.


#7

Com relação ao mercado de trabalho, este é bem específico: não é qualquer mercadinho de bairro que contrata cientista de dados. Esteja pronto para bater na porta de grandes bancos, grandes empresas de comércio, empresas de tecnologia ou startups. Os profissionais costumam ser muito bem remunerados, mas é difícil ser contratado sem experiência.


#8

Para quem está com medo do mercado e indeciso, é o meio termo. É muito importante ter alguma graduação na área, mas se é graduação X ou Y isso não garante nada, e sim especialização profissional, experiencia e indicação.


#9

Olá a todos!

Sou totalmente novato na área e estou me aprofundando para poder ter certeza de que quero focar minha vida profissional em tecnologia. Sou formado em Geografia e até agora minhas pesquisas acadêmicas estavam focadas em humanas. Desde o ano retrasado venho flertando com a área de tecnologia, mas nunca cheguei nela de fato por receio com as exatas. Após fazer um curso de capacitação para eletricistas, resolvi encarar um pouco mais esse lado do conhecimento (exatas) quase que como um desafio pessoal. Fui buscar conhecimento na área de forma autodidata (Deus abençoe o youtube) e tenho dado meus passos em Python, logo após ter entendido a lógica de programação. Sou fissurado por conhecimento e pretendo carreira acadêmica, mas, claro, ainda não sei pra onde ir. O que posso dizer é que muito me atrai as partes eletrônicas e físicas da computação. Caí aqui neste fórum e nesta pergunta pq busquei por “assembly” no google. Fiz isso pq me disseram que é parte da chamada programação de baixo nível e que é muito mais “roots”. Me senti atraido pelo que li.
Mas toda essa intro aí é só pra perguntar pra vcs: já tendo um curso superior, eu devo buscar um conhecimento de forma autodidata e já ir focando em especialização ou devo começar uma nova facul na área. Pergunto pq o que me falam é que não vale a pena começar uma nova facul em T.I. aos 30 anos e sim aprender tudo o que puder na net e buscar certificações.
O que me dizem?


#10

Para carreira acadêmica, idade não é problema, e não faz sentido cogitar deixar de fazer faculdade, que seria o mínimo, depois mestrado e doutorado. Problema com idade é no mercado privado, para quem inicia deve ser bem difícil.


#11

30 anos já é uma idade considerada “dificil” pra entrar no ramo?


#12

No meio academico não é problema. Ou mudou de objetivo? Define o objetivo.


#13

Cara eu não vejo o porque de trocar o curso, se fosse um ramo totalmente distinto até entenderia, mas agora, você está a 3 anos em ccomp, que no geral são 4.

A ciência da computação, no que se diz respeito, na maioria das grades, ela tem como função mostrar todas as matérias (ou se não, pelo menos a maioria) ou ramos da computação.

Seria mais conveniente depois de acabado a faculdade, você procurar fazer uma pós ou mestrado na área desejada, como por exemplo, Inteligencia artificial, Visão computacional, Data warehouse, etc.


#14

Amigo, durante o processo e construção da carreira acadêmica eu preciso trabalhar, não posso me dedicar 100% à faculdade. Se eu trabalhar com tecnologia/programação eu serei mais eficiente no objetivo final. Em suma, o objetivo final é carreira acadêmica, mas o percurso até lá será mais rápido e fácil se eu trabalhar na área. Por isso, planejo começar esta mudança e, assim, gostaria de saber se aos 30 anos, ou melhor, 31, eu já sou considerado velho pra fazer tal transição. Acho que fui mais claro agora.


#15

Até lá a saída mais pé no chão é ganhar dinheiro no que você tem conhecimento hoje.

Demora para se tornar um profissional, não é só com faculdade, curso e muito menos certificação. Muita dedicação própria é exigida e troca de experiência com profissionais. Depois disso pode pegar freelance ou se tornar empreendedor.


#16

Boa tarde,

Não sou nenhum mestre Jedi, pra querer dizer ou não se o que vc pretende ao mudar o foco de sua carreira vai dar certo ou não, mesmo pq, “virar a chave” não é uma tarefa tão simples mesmo.

Mas, focando somente em termos da idade, eu mesmo sou uma das provas vivas que idade não é barreira. Já até compartilhei isso aqui em outros tópicos.

Tenho 44 anos, comecei minha faculdade com 34 em uma faculdade que todo mundo contextou, muitos disseram que eu não iria arrumar nada, mas, o meu desejo me manteve firme no meu objetivo e eu superei a tudo e a todos.

Sou arquiteto, conheço qze todas as tecnologias do mercado, trabalho ganhando o que gostaria, na empresa que eu gostaria e tudo isso só foi possível pq eu nunca desisti e continuei (e ainda continuo) estudando e aprimorando meus “skills”.

Ahh, mas vão falar que eu “tive sorte” ou coisa do gênero, mas eu prefiro pensar que SIM, tive sorte, mas SIM, me mantive sempre preparado para as oportunidades que eu pretendia.

Resumindo, vai de cada um. Todos aqui sabem onde “seu calo aperta”. Sendo assim, é planejar, conseguir os recursos que vc precisa pra executar seu plano e executar. O resultado vai depender do quão empenhado vc vai ser em executar seu plano e conquistar seu objetivo.

Mas, vou te dizer que concordo com o último post do @javaflex em relação a ganhar dinheiro no que vc conhece hj. Vc vai ganhando uma “quirelinha” aqui e outra ali e vai se programando para o seu objetivo maior. O céu é o limite!