GUJ Discussões   :   últimos tópicos   |   categorias   |   GUJ Respostas

Morar em outro país, vale realmente a pena?


#1

Bom dia amigos do GUJ,

Sei que esse assunto já apareceu aqui muitas vezes, tanto é que passei 2h lendo o forum em topicos sobre isso, mas minha situação tem algumas particularidades, e acredito que ninguem melhor do que vocês programadores, inclusive os que já trabalharam em outras terras, podem me dar uma opnião valiosa que irá pesar em minha decisão.

Meu cenário é o seguinte, sempre tive vontade de morar em outro país, particularmente a Austrália, além de ter um tio que mora lá ha cerca de 5 anos e adora o lugar (infelizmente me fugiu a cidade em que ele trabalha).

O que mais me deixa decepcionado em morar no Brasil, é a política corrupta do país, que nos afeta bruscamente, acredito que nesse ponto nem preciso entrar em detalhes devido a roubalheira escandalosa que existe por aqui, por mais que eu ame estudar, sei que o retorno em outro lugar poderia ser melhor. Violência e falta de estrutura, são outros fatores que me chamam a atenção também.

Outro ponto importante é, vou me casar no final do ano que vem, e minha futura esposa já disse que não quer sair do Brasil, o máximo que ela gostaria de fazer um dia, é mudar de São Paulo (capital, onde vivemos) para Curitiba.

Portanto, fico em cima do muro, não sei se vale insistir na idéia, ou tentar crescer em São Paulo mesmo, pois meu objetivo, como acredito que seja o de todos aqui, é viver bem, ter uma bela casa e aproveitar o dia-a-dia, indiferente do lugar, mas ainda assim penso que em outro país o retorno seria maior.

Daí pergunto, especialmente pra quem já teve a experiência de conhecer as políticas de trabalho e qualidade de vida de outro país, vale a pena bater de frente com a mulher pra ir atráz desse objetivo, ou no final das contas é possível "ser feliz" aki também?

Como podem ver, sou novo na área, tenho 23 anos e vou me graduar em CC ano q vem, mas já quero planejar minha vida desde já.

Abraços.


#2

Pelo menos você já tem família lá, o que é muito bom. Mas tem emprego também? Sabe se seria fácil se colocar lá?
E o que sua esposa faz? Ela também poderia encontrar emprego facilmente lá?

Como se outros países não tivessem também seus problemas. Você sabe de muito mais coisas aqui porque assiste a imprensa local. Quando morei na Alemanha, era possível ver diariamente notícias sobre roubos, violência, desemprego, etc...

Nós temos que parar de achar que vivemos no pior país do mundo. Não é o melhor, mas também não é tão ruim assim. Estamos em franco desenvolvimento e somos nada menos que o país mais poderoso da america latina. Um dos maiores problemas do Brasil, na minha opinião, é essa baixa auto-estima do brasileiro.

Se quiser, é possível te ajudar nessa mudança. Mas se você é casado, é importante levar em consideração a opinião da sua esposa também. Ela é parte da família.

Se seu objetivo é segurança, há bons empregos no governo. Tente fazer um concurso.
Se você quer ter um casarão e um carro do ano na garagem, escolheu a profissão errada.

Informática não dá essa possibilidade em muitos países do mundo. Quando morei na Alemanha, vi que os engenheiros lá não viviam de maneira muito diferente de nós aqui. Ok, o governo dava mais condições de educação e segurança, mas em termos de bens materiais, estavamos mais ou menos equiparados.

Carreiras de real conforto financeiro ainda são na área jurídica ou no direito, seja no Brasil, ou fora dele.

Obviamente é possível ser feliz aqui.


#3

Seja o melhor profissional que puder ser que consiguirá trabalho em qualquer lugar do mundo, eu ja morei em alguns lugares com ESP, PORT, BAHAMAS, etc....

Na època eu tinha 17 anos e voltei com 22, eu era o faz tudo, era louco pra ter uma profissão mas não tinha noção do q estudar, alé do mais na época não tinha esta vasta gama de tecnólogos para cursar,

Hoje estou me preparando para ser bom o suficiente para conseguir trabalho em qq lugar do mundo, além do que na nossa área se vc manda bem na sua empresa (uma multinacional tipo) ou se ela for forte tbm,

Vc conseguirá até morar fora e trabalhando nela, tem diversos casos do pessoal de TI, que mudam de países e continuam trabalhando na empresa porém na filial de cada País por exemplo,

ABrcs


#4

Em primeiro lugar, já agradeço pelas valiosas respostas!

@Vini
Pesquisei bastante sobre o vistos para lá, o que mais me interessou foi o de ser patrocinado por alguma empresa e assinar um contrato de trabalho. Agora entrar sei que não é facil, o inglês tem que estar mais afiado do que nunca e a burocracia aumentou bastante. Mas aí que tá, se realmente valer a pena, vontade é o que não falta, mas tenho ciência dos obstáculos que terei.
Minha futura esposa é da área de marketing, confesso que não pesquisei a fundo sobre a área, mas vou dar uma olhada nisso agora que mencionou.

E sim, a opnião dela vale demais pra mim, em hipótese alguma eu faria algo contra a vontade dela ou que fosse prejudicá-la.

Agora que você falou comecei a refletir mais, se o Brasil fosse tão ruim assim, não veríamos empresas estrangeiras aki, e trabalhadores inclusive, quando trabalhei com telecom, cansei de ver analistas americanos e alemães residentes por aqui.

No seu caso, se você fosse escolher entre continuar morando aqui ou voltar para a Alemanha, já que você a conhece, que decisão tomaria e porquê?

Quanto a Curitiba, nunca fui praí mas até onde eu vi, me agradou muito, em qualquer caso toda ajuda será bem-vinda, penso em viajar nas férias para conhecer a cidade.

@rafael
Com certeza esse é meu objetivo cara, já estou pensando na minha pós logo que acabar a faculdade, além de tentar a primeira certificação em Java no ano que vem, são pequenos passos acredito eu, mas meu objetivo mesmo é ser um ótimo programador um dia, amo essa área, como o Vini falou, não dá pra ter um casarão e algo do tipo, mas não abro mão do que eu gosto.

Nos países que você morou, do que você sentiu falta se comparado ao Brasil?


#5

Eu já fiz essa escolha, e continuei por aqui.

Meus motivos:
- Tenho boas oportunidades aqui: Muitos contatos, emprego já estável, etc;
- Minha família mora aqui;
- Seria difícil arranjar emprego para minha esposa por lá;
- Gosto muito daqui, mesmo com os problemas.

Não descarto a possibilidade de ir estudar fora, mesmo por alguns anos, num doutorado "sanduíche".


#6

Não querendo fugir do tópico mas na minha opinião um dos maiores problemas do Brasil é indiferença à educação por parte dos estudantes (com várias excessões que mostra que o povo brasileiro tem potencial - Por exemplo FEBRACE 2012: projetos de estudantes brasileiros) pois com mais educação pode ser que o país não virasse uma maravilha mas muita coisa iria melhorar.


#7

Curitiba é outro país. Outro povo, outra cultura. Ao menos, é o que se percebe após viver aqui a vida toda e ir para qualquer outro lugar.
Você quer uma casa, carro e conforto, como o Vini disse, TI e áreas afins são meio adversas à isso. Mas, não quer dizer que você não possa atingir um salário que te dê condições de ter coisas como casa, carro e certo conforto. Salários de R$ 5, 6 até 10k podem ser alcançados no Brasil mesmo, lógico, dependem de muito investimento e dedicação.
Sei que é complicado, mas entre casar com alguém que não me apoia e realizar meu sonh, eu ficaria com a segunda opção. Se essa pessoa realmente sente algo tão forte a ponto de querer casar comigo, irá me entender, assim como, eu farei o mesmo. Senão, é investir em algo que certamente dará errado.

Enfim, se tem mesmo interesse de vir morar em Curitiba, avise-nos. Oportunidades existem, basta dedicar-se e querer construir algo.


#8

Olá a todos,

Gostei muito do tópico e queria também falar que tenho planos de sair do país, porém apenas para estudar por 6 meses a 1 ano e então voltar.

Gostaria de tirar uma dúvida com você Vini, como você mesmo disse todo lugar há problemas, é claro isso, acredito que países como China, India, sem falar em países que ainda são ditadura como Irã e ate mesmo a Venezuela que é uma democracia "fake" são países complicados, porém não é o caso do Brasil, vivemos num capitalismo, democracia, direito e ir e vir e uma constituição, etc, etc

Ai agora vem a minha pergunta, quando você estava morando na Alemanha, você tinha medo de atender seu IPhone na rua? Você tinha medo de abrir o portão de casa e tirar o carro da garagem, seja ate mesmo para lavá-lo? Você via políticos declarados corruptos, sendo filmados, e mesmo assim ficarem livres? Não estou sendo irônico e nem baixa auto-estima, adoro esse país de verdade e acho o Brasil muito bom para se viver, porém algumas coisas às vezes irritam rss

Ps: O motivo mais forte que faria eu voltar é: família e amigos, não conseguiria ficar longe, por isso nem faço planos de morar fora.


#9

Existem muitas cidades no Rio Grande do Sul com cultura e qualidade de vida similares a de Curitiba.

Verdade.

[quoteSei que é complicado, mas entre casar com alguém que não me apoia e realizar meu sonh, eu ficaria com a segunda opção. Se essa pessoa realmente sente algo tão forte a ponto de querer casar comigo, irá me entender, assim como, eu farei o mesmo. Senão, é investir em algo que certamente dará errado.[/quote]

Acho engraçada essa opinião. É totalmente contrária da minha.

Eu acho que o difícil do casamento é que ele envolve apoio mútuo.
Casar é deixar de pensar como indivíduo, para pensar como casal, ou melhor, como uma família inteira.

Ou seja, ela obviamente vai ter que ceder por parte dos seus sonhos, mas você também vai ter que ceder em muitas coisas. O que se busca é um ideal maior, que compense esse esforço, no caso, o de ter uma família, de não ser sozinho na velhice e de deixar herdeiros pelo mundo.


#10

Sei disso, aliás, é mania de curitibano falar mal de si mesmo.

[quote=ViniGodoy]

Você quer uma casa, carro e conforto, como o Vini disse, TI e áreas afins são meio adversas à isso. Mas, não quer dizer que você não possa atingir um salário que te dê condições de ter coisas como casa, carro e certo conforto. Salários de R$ 5, 6 até 10k podem ser alcançados no Brasil mesmo, lógico, dependem de muito investimento e dedicação.

Verdade.

Sei que é complicado, mas entre casar com alguém que não me apoia e realizar meu sonh, eu ficaria com a segunda opção. Se essa pessoa realmente sente algo tão forte a ponto de querer casar comigo, irá me entender, assim como, eu farei o mesmo. Senão, é investir em algo que certamente dará errado.

Acho engraçada essa opinião. É totalmente contrária da minha.

Eu acho que o difícil do casamento é que ele envolve apoio mútuo.
Casar é deixar de pensar como indivíduo, para pensar como casal, ou melhor, como uma família inteira.

Ou seja, ela obviamente vai ter que ceder por parte dos seus sonhos, mas você também vai ter que ceder em muitas coisas. O que se busca é um ideal maior, que compense esse esforço, no caso, o de ter uma família, de não ser sozinho na velhice e de deixar herdeiros pelo mundo.[/quote]
Ah sim, com certeza.
Acho que me expressei mal, por ter falado apenas de um lado da história.
O que eu penso é que não se pode casar com quem só te coloca impedimentos, como a esposa do Thomas Edison, que sempre dizia que ele nunca ia conseguir inventar nada. E o cara inventou a lâmpada elétrica.
Abrir mão de coisas que queremos, em prol de algo maior, como a família é fundamental e os dois lados devem ceder.
Não tem como só ela ceder ou só ele.
Mas, como diz o ditado "casamento é uma sociedade em que uma das partes está sempre com a razão e a outra é o marido"...


#11

Bom saber cara, realmente são bons motivos para continuar no Brasil, coisas que realmente seriam difíceis/impossíveis de contornar em outro lugar.
Uma coisa que me fez pensar é família e amigos, posso estar enganado mas, você só deve perceber o quanto faz falta quando 1h de carro até a casa da pessoa já não é mais o suficiente.

Pena que não consigo abrir o vídeo daqui, mas compartilho da mesma opnião, fico indignado em ver pessoas podendo entrar numa faculdade e gastando tudo em balada, ou pior, entrar na faculdade e tocar o foda-se pro professor e pro estudo em geral.

Como perguntar de salários é muito superficial, em Curitiba, o salário da pessoa (nas empresas "certas") sempre acompanha seu nível intelectual?
Pergunto pois um amigo me disse esses dias, que talvez um problema de se especializar MUITO em uma área, é que te torna um profissional caro demais para algumas empresas quererem contratá-lo, e o profissional no final das contas, acaba trabalhando pelo salário que lhe é oferecido.


#12

Tudo na vida depende do que você busca.
Quer se especializar, então prepare-se para ser entrevistado por seres que não possuem a capacidade que você tem e que não irão te contratar por medo de perderem a posição para você.
Não pense que qualquer consultoria de três letras irá te contratar, aliás, se você fez pós graduação e tem certificações, não queira entrar numa destas.
Se você acha que tem vocação, lecionar é uma opção relativamente boa. Digo relativamente pois cada instituição tem suas exigências e sua forma de remunerar. Aliás, vocação é primordial. Encarar alunos não é, definitivamente, algo fácil.
E, sim, existem empresas em que você ganha pelo que sabe e pelo potencial que tem.


#13

Maracuja seu review foi excelente,

Como eu falei no post anterior, o Brasil não é ruim comparados a outros países, porém, com a carga tributária que o Brasil possui, com as riquezas naturais que temos, e muitos outros fatores, temos obrigação de ser uma potência. Como pode um país que nem o Brasil possuir capitais que nem tem Metrô ainda??

O Vini citou que ele possui oportunidades, mas Vini quantas pessoas no Brasil possuem, exp internacional, provavelmente Inglês fluente, Espanhol fluente, quem sabe ate mesmo Alemão fluente? é claro que as oportunidades pulam para você e com essa exp no mercado Network você tem de sobra, porém não estou falando que você não ralou para estar aí, com certeza você ralou E MUUUUITO para ter tudo isso, mas é complicado ter tudo isso quando o governo não ajuda .. esses dias fui comprar um livro de certificação e o mesmo estava 250 mangos se eu for fazer a prova são mais 300 da prova ... poxa quase 1 salário mínimo para eu tentar ser um profissional melhor? Cade o incentivo para eu continuar estudando e melhorando o país? Eu quero deixar de usar o carro para trabalhar, para dimuinuir o trânsito da cidade e tals, mas cade o transporte público de qualidade? E A carga tributária? ahhh essa não muda ...

abss


#14

Aos Curitibanos,

Já ouvi falar que CTBA é cidade modelo do Brasil, mto bom morar por aí?


#15

Fala Maracuja!

Você citou muitos pontos importantes em seu post, mesmo assim o que mais me chamou a atenção foi esse e o abaixo.
Um amigo do meu ultimo trabalho me falou algo muito parecido cara. "Ela ainda é nova, muito apegada a mãe, e principalmente nunca saiu do país, deixa pra ter essa conversa novamente o dia que vocês estiverem em viagem a outro país". Seu exemplo é exatamente o mesmo cenário.

Realmente, quero ao menos ver como são os outros lugares, sou o tipo de pessoa que não para de pensar quando tem um objetivo, não descanso. O próprio fato de eu ser programador hoje, se deve ao eu ter dado a cara a tapa no mercado, e largado a área de telecom, sou feliz como programador (mesmo sendo ainda juvenil na área) e me orgulho muito da decisão que tomei.


#16

Vai por mim, não é uma questão de auto estima muitos brasileiros reclamarem do país, é uma realidade, o poderio econômicodo país é referente a seu PIB, o que vale mesmo, o que representa qualidade de vida pra população é o IDH, e neste o Brasil continua entre os piores ...
Nunca fui pra Austrália, mas tenho amigos que já moraram lá e me disseram maravilhas, se você for emprego não vai faltar, mesmo que não seja em TI, mas o ponto forte do país é a organização e a educação da população, pra todo brasileiro consciente e que está de saco cheio de corrupção e injustiças sociais é um choque de realidade..
é verdade que como em todo lugar do mundo que tem pessoas lá também há problemas, mas são muito menores


#17

Bem lembrado cara, tenho muita vontade de lecionar, isso é o que mais me deixa em dúvida (devem ter percebido que essa palavra é muito comum no meu vocabulário), quero tanto me especializar em java, quanto tentar um mestrado e lecionar. Gosto muito do ambiente universitário, meu primeiro estágio foi advindo de uma indicação de um professor de C, e hoje somos grandes amigos, além da amizade de outros professores em minha universidade, enfim, levo a idéia muito a sério.
Aliás, o retorno financeiro e "recompensa pessoal" valem a pena?
Vini?

Esse é o ponto cara :frowning:


#18

Com certeza com esse review que vc fez do Canadá, Maracujá, fez ativar muitas lumbrigas escondidas que estavam nas pessoas que já pensaram em um dia morar fora do Brasil, em busca de uma melhor qualidade de vida e de cultura, rs...


#19

http://www.bemparana.com.br/noticia/188649/encapuzados-invadem-churrasco-no-orleans-matam-quatro-e-ferem-quatro

http://mais.uol.com.br/view/ciq9n2uk6gb4/curitiba-investigadora-de-policia-mata-vendedor-04028C193570DC812326?types=A


#20

Eu só possuo inglês fluente. E não aprendi indo a cursos de línguas, mas por conta própria.

O que é o investimento de R$550,00 para aumentar sua empregabilidade e sua carreira? Estamos falando em investir algumas vezes por ano, para ter um retorno em vários meses, de vários anos. Desde sempre eu investi nesse tipo de coisa, mesmo quando era um estagiário e era obrigado a juntar 3 ou 4 meses para comprar um único livro.

Ué... ter a perspectiva de um emprego melhor não é incentivo? Fazer seu trabalho com mais qualidade e menos estresse também não?
Se nem com uma perspectiva pessoal e imediata, que nem sequer depende do governo, você se incentiva, o que o governo poderia fazer por você?

Vamos parar com essa conversinha fiada de "eu não faço pq o governo não incentiva". O governo não tem que passar a mão na sua cabeça, nem falar "vá lá garoto". Você tem que se incentivar porque quer crescer na sua profissão.

Vejo muita gente querendo emprego, mas não querendo trabalho. Querendo sucesso, mas imediato, sem ter que escalar os degraus que uma carreira completa exige.
Você acha que eu passei a conhecer de programação "de graça"? Ou que a experiência internacional veio "por acaso"? Ou que eu nasci sabendo falar inglês? Ou que uma multinacional me contratou só pelos meus "belos olhos"?

Se você quer formar networking, tem que começar fazendo um bom trabalho. Se quer procurar boas empresas, que te dêem oportunidades internacionais, tem que fazer um bom trabalho. Então, se você não tem coragem de investir R$250,00 mangos, que podem ser parcelados, para aprender a fazer um bom trabalho, desculpe, mas você vai continuar ganhando a merreca que os caras que fazem um trabalho mediano ganham.

Desculpe ser tão direto, talvez não seja sua realidade, mas estou um pouco cansado desse mimimi aqui no GUJ. Acho muito fácil culpar o governo por nossas próprias falhas, e a vida fica muito mais fácil se você passar a admitir que o sucesso de sua carreira depende de você mesmo, não dele.

Já ví muitos alunos reclamando que era "super caro" um livro de informática de R$250,00... mas passa o tempo e depois você vê o cara em SP, num show da banda seiláoque, cujo investimento para estar lá foi certamente muito maior do que isso (sem falar nos que toda semana vão na "balada" e gastam seus R$80,00 - e com isso estão torrando um livro desses por mês).

Uma coisa é fato: Todos os meus amigos que fizeram informática, e que atuam na profissão, e que se formaram comigo hoje consideram-se profissionais satisfeitos com seus trabalhos. Alguns deles se mudaram para SP, RJ e BH. Outros se mantém em Curitiba. Alguns ainda são programadores, outros professores, outros consultores SAP. Mas todos, sem exceção, tiveram ótimas oportunidades - até porque, nossa área as concede.

@Bruno M Gasparotto
Se você tem tanta dúvida, por que não tenta uma experiência internacional num emprego temporário? Você já tem um tio lá, poderia tentar achar um projeto que exija um funcionário por tempo determinado (como 6 meses ou 1 ano). Aí fica fácil de convencer a esposa, e fica mais fácil de avaliar se a Austrália é para vocês mais interessante do que o Brasil ou não (cada país é um país, cada família é uma família, portanto, faça a experiência). Na pior das hipóteses, você volta com inglês fluente e experiência internacional no currículo, o que vai ser bom para a carreira de você e da sua mulher.

Para quem quer investir em docência: A maioria dos programas de doutorado tem as famosas "bolsas sanduíche", que permitem que você passe um ou dois anos no exterior. Ou seja, você pode deixar a decisão de morar fora para mais tarde e fazer esse "test drive" antes.